As 7 aldeias históricas do Gerês que tem de conhecer

O parque nacional da Peneda-Gerês é o único parque nacional do país, reserva mundial da biosfera e um verdadeiro santuário da natureza e vida selvagem em Portugal. Se quer explorar a natureza em Portugal, o Gerês é o lugar a visitar. Mas existe no Gerês muito mais do trilhos, quedas de água, florestas e praias fluviais. Dentro do parque existem também muitas aldeias, algumas bem tradicionais. Aqui vamos explorar as melhores aldeias do Gerês, ou seja, as mais típicas, explicando porque são interessantes, as suas mais atracções e até onde deve ficar em cada uma delas.

Melhores aldeias tradicionais do Gerês

Castro Laboreiro

Considerada uma das mais carismáticas aldeias de Portugal, Castro Laboreiro tem algumas atracções turísticas fascinantes. O Castelo medieval é a mais famosa, mas a ponte romana, igrejas, fornos comunitários, moinhos, e até a sua própria raça de cães dão a esta aldeia um carácter muito especial.

Localizada no extremo norte do parque nacional, no município de Melgaço, é bastante longe e não muito fácil de lá ir quando se tem pouco tempo para viajar na Peneda-Gerês. É, no entanto, uma das melhores e mais interessantes aldeias do Gerês.

Castro Laboreiro é também um excelente lugar para se tirar partido da gastronomia local, e em especial da qualidade da carne. Para isso, sugerimos o restaurante Miradouro do Castelo. Não é a melhor comida que irá comer, mas é muito boa e com boas porções. A carne, em particular, é espectacular. 

Onde ficar em Castro Laboreiro?

Como Castro Laboreiro fica bem longe de quase tudo o resto, provavelmente será boa ideia passar lá a noite. Lá aconselhamos o Hotel Castrum Villae, pois é onde ficamos sempre que lá vamos. Tem uma excelente relação qualidade/preço, com quartos confortáveis e preços bem acessíveis. Veja os preços e disponibilidade aqui.

Melhores aldeias tradicionais do Gerês
Vista da aldeia de Castro Laboreiro do Castelo

Lindoso

Lindoso fica mesmo junto à fronteira com Espanha, mas fica muito mais a sul, no município de Ponte da Barca. Esta aldeia típica é muito conhecida pelos seus espigueiros comunitários, mas também pelo castelo e barragem. De facto, a barragem mudou completamente a paisagem envolvente, criando um enorme lago azul. Ainda assim, na nossa opinião, das 3 coisas, a que mais brilha é o castelo do Lindoso.

Este castelo do século XIII foi construído para proteger a fronteira com Espanha e está extremamente bem conservado e é uma visita muito agradável. Além do mais, as suas muralhas e torres funcionam como um óptimo miradouro, tanto para os espigueiros como para o resto da paisagem. 

Os tradicionais espigueiros do século XVII ficam mesmo ao lado das muralhas e eram usados para secar cereais e protegê-los dos animais. São completamente feito em pedra e formam um impressionante atracção turística, mas também uma lembrança da vida comunitária há não muito tempo atrás. Os 50 espigueiros do Lindoso são considerados o maior conjunto de espigueiros de toda a Península Ibérica. 

Onde ficar no Lindoso?

Incrivelmente não há grandes opções de alojamento no Lindoso, e por isso aconselhamos que fique em Parada, apenas a 2 km de distância. Lá terá à sua disposição as agradáveis RH Casas de Campo Design – um conjunto de villas maravilhosas, perfeitas para servir como base para visitar toda esta região do Parque. Outra hipótese será ficar no Soajo, que é relativamente perto. Veja em baixo.

As 7 aldeias históricas do Gerês que tem de conhecer
A aldeia de Lindoso, os espigueiros e o Castelo

Fafião

Fafião é uma pequenina aldeia de Montanha em Cabril, Montalegre. A aldeia em si é engraçada, mas não o que realmente brilha lá. O mais interessante são mesmo as muitas atracções turísticas que e coisas para fazer, em toda a área. Apesar de ser bem pequena, a aldeia tem 3 restaurantes, mas não podemos falar sobre a sua qualidade, pois quando vamos a esta região do Gerês costumamos fazer piqueniques.

Na aldeia existe uma das nossas atracções favoritas no parque nacional, o fojo do Lobo. Para quem não sabe, um fojo do lobo é uma antiga armadilha construída para caçar lobos. Esta construção é um dos melhores exemplos de engenho e arquitectura rural. O fojo do lobo de Fafião tem o formato de V, com paredes de mais de 2 metros de altura e 64 metros de comprimento. É completamente construída em pedra e termina num poço, onde os lobos seriam mortos.

Em Fafião, existem também dois miradouros que valem bem a pena a visita. Um dia no topo da aldeia e terá de fazer uma pequena caminhada para lá ir, e o outro fica mesmo na entrada, junto à estrada e é onde está a estátua do lobo em ferro. Ainda bem perto de Fafião temos duas das mais bonitas cascatas do Gerês, as cascatas do Tahiti e a cascata de Pincães. Finalmente, temos os poços verde e de Fafião, ambos maravilhosos para se nadar e refrescar na água límpida do Gerês.

Onde ficar em Fafião?

Tanto quanto sabemos, apenas existe um alojamento em Fafião, a Casa da Quelha. Esta maravilhosa casa com piscina tem tudo o que precisa para passar uma boa temporada no Gerês. O seu rating no booking diz quase tudo… mas é uma casa com 3 quartos e por isso mais adaptada para um grupo de amigos ou uma família com crianças. 

Melhores aldeias do Geres
Miradoro do Fafião e o símbolo do lobo

Soajo

O Soajo é uma aldeia no concelho de Arcos de Valdevez, mas fica ainda a uns bons 25 minutos de carro. Localizada na margem norte do rio Lima, é relativamente perto do Lindoso. E tal como o Lindoso, uma das suas características mais marcantes é o conjunto de espigueiros comunitários. Este conjunto de 24 espigueiros tradicionais em pedra foram construídos em cima de uma enorme rocha granítica dando-lhe um cenário ainda mais agradável e fotogénico.

A aldeia em si é bem rústica e charmosa, com bastantes casas tradicionais em pedra. Numa pequena caminhada pode visitar a igreja, os antigos moinhos, o enigmático pelourinho do século XVI, e claro os espigueiros.

Mas tal como todas as aldeias do Gerês, existem também algumas atracções naturais bem perto. O Poço Negro do Soajo, o Poço Bento e as cascatas do Soajo são as nossas favoritas, apesar de não serem das mais conhecidas em geral. São pequenas cascatas com uma piscina natural de água pura e transparente, ideais para nos refrescarmos num dia quente de Verão.

Onde ficar no Soajo?

O Soajo tem diversas opções de alojamento, e algumas são realmente muito boas. As Casas do Cavaleiro Eira são uma excelente opção para casais pois têm casa de apenas um quarto, com cozinha equipada com tudo o que precisar. Por outro lado, têm também casas maiores para grupos ou famílias. Caso já estejam reservadas a Casa de RioBom é outra opção de qualidade para casais. Tem também cozinha equipada, sala de estar e uma nota altíssima de viajantes anteriores que garante a qualidade do alojamento.

Aldeias mais tradicional do Parque nacional do Gerês
Espigueiros do Soajo

Pitões das Júnias

Pitões das Júnias fica na zona nordeste do parque nacional da Peneda Gerês, no município de Montalegre. Esta é provavelmente a zona menos visitada do parque, mas não será devido à falta de coisas para ver e fazer. Simplesmente é mais longe do Porto, Braga e qualquer outra cidade de Portugal.

Se calhar por sermos um bocado hipsters, ou então porque simplesmente gostamos de lugares com pouca gente, mas Pitões de Júnias tem um lugar especial reservado no nosso coração. Esta pequena aldeia tem uma identidade bem vincada, uma história longa e tradições únicas. Se isto não for suficiente, deve também saber que fica num lugar de uma beleza natural incrível o que faz com que qualquer visita a Pitões das Júnias uma viagem bem agradável. Ainda para mais, tem duas atracções turísticas bem engraçadas, o mosteiro de Santa Maria das Júnias e as Quedas de Água.

O Mosteiro foi abandonado no século XIX depois da abolição das ordens religiosas em Portugal. Com o tempo, a grande parte do mosteiro caiu em ruínas e a natureza começou a tomar conta. Agora é um lugar bucólico, idílico até, onde se pode relaxar e desfrutar. Com a devidas diferenças (e são muitas) aqui no Portugal Things costumamos chamar-lhe o Angkor Wat português…

Onde ficar em Pitões de Júnias?

Pitões de Júnias tem algumas opções de alojamento, mas a verdade é que nós ficamos sempre na mesma, a Casa do Preto. Funciona tanto como restaurante como hotel. O restaurante serve carne de elevada qualidade (nós recomendamos o T-bone de carne Barrosã). O hotel é simples e com uma atmosfera familiar mesmo agradável. Portanto, comidinha boa, quartos acolhedores, e anfitriões simpáticos, o que mais poderíamos querer depois de um dia a explorar a região? Veja os preços e disponibilidade aqui.

Aldeias pitorescas do Gerês
Aldeia de Pitões de Júnias

Peneda

A aldeia da Peneda fica num lugar de uma beleza natural única, em Gavieira, Arcos de Valdevez. A existência da aldeia está muito relacionada com o santuário e peregrinação de nossa senhora da Peneda. A aldeia em si não é tão interessante como outras desta lista, mas a peregrinação, o santuário e a queda de água por trás tornam-na uma visita quase obrigatória para quem vai passar alguns dias ao Gerês.

A peregrinação principal ao Santuário da Peneda ocorre entre 31 de Agosto e 8 de Setembro, fazendo deste período uma das melhores alturas para visitar a Peneda. Por outro lado, como estamos no pico do verão a cascata estará com dimensões mínimas ou completamente seca. Para a ver em toda a sua glória temos de ir à Peneda no Inverno.

Quando decidirem ir à Peneda não se podem esquecer de ir ao miradouro de Tibo. É um dos melhores miradouros do Gerês, e oferece vistas absolutamente fantásticas sob o valle, e até se consegue ser o santuário ao longe. 

Onde ficar na Peneda?

O nosso lugar favorito para ficar na Peneda fica ligeiramente fora da aldeia, mais concretamente a cerca de 2 km do Santuário. Casas da Peneda é um alojamento maravilhoso, mesmo ao lado do rio Peneda. É perfeito para quem está à procura de um refúgio onde possa descansar e estar em paz. Tem duas casas (uma de 1 quarto e outra de 2), e por isso é uma boa opção tanto para pequenos grupos como famílias e casais.

Vilarinho das Furnas

Vilarinho das Furnas era uma aldeia comunitária no município de terras do Bouro, no parque da Peneda Gerês. Era considerada a maior e uma das mais tradicionais aldeias do Gerês, mas foi completamente abandonada e inundada após a construção da barragem de Vilarinho das Furnas no Rio Homem. A nova barragem criou um enorme lago que revolucionou toda a envolvente e fez desaparecer esta aldeia histórica.

Hoje em dia é possível ver a antiga aldeia durante o pico da época seca e a barragem está muito baixa, ou em manutenção. No entanto, quando possível, é uma visita fascinante pois ainda se podem ver as ruas, as ruínas das casas e os muros da aldeia. E se a barragem estiver suficientemente baixa, além de se ver, é possível lá ir. O trilho para Vilarinho das Furnas é de cerca de 2.5km (5km ida e volta), mas é percurso plano e muito fácil.

Onde ficar em Vilarinho das Furnas?

Bem, obviamente não se pode ficar em Vilarinho das Furnas. A melhor opção é ficar em Campo Gerês a menos de 3 km da Barragem. Campo Gerês tem um hostel enorme e por isso é uma boa opção para quem procura alojamento barato. Se quiser um opção mais confortável, sugerimos a Casa da Fonte que tem opções de alojamento para casais, famílias e pequenos grupos. 

Melhores aldeias do Gerês
Ruínas de Vilarinho das Furnas

Menção honrosa – Sistelo

A aldeia do Sistelo aparece mencionada em muitas listas do Parque nacional da Peneda-Gerês, mas não a podemos incluir nesta lista. Porquê? Simplesmente porque o Sistelo não fica no Parque. É perto é verdade, mas fica fora do perímetro do Parque Nacional.

No entanto, temos de deixar claro que se nunca foram ao Sistelo, devem ir! Independentemente se fica ou não no Gerês. O Sistelo é justamente considerada uma das mais bonitas aldeias tradicionais de Portugal, e é conhecida como o Tibete Português. Tanto a aldeia como os arredores são do mais bonito que irá encontrar em todo o país. Assim, recomendamos fortemente que vá ao Sistelo e faça a Ecovia do Vez.

Melhores aldeias do Sistelo
Aldeia do Sistelo
Melhores aldeias do Gerês
Aldeias tradicionais do Gerês

Sharing is caring!

shares